neonews Portal de notícias e entretenimento

Especial Oscar 2021 | A sedativa história de “Mank”

Caro Hollywood, noir não camufla uma história sem cor


Créditos: Netflix


Liderando o número de indicações do Oscar deste ano, como por exemplo “Melhor Filme”, “Melhor Ator” e “Melhor Direção”, “Mank” leva o espectador aos bastidores do processo de escrita do sempre famoso “Cidadão Kane” enquanto apimenta o história com assuntos políticos de escalões superiores que dominavam Hollywood e estúdios SMS dos anos 30. Interpretado por Gary Oldman, o personagem principal em que o espectador deveria ser extremamente obcecado é Herman Mankiewicz, um roteirista que sofre de dependência de álcool e uma lesão na perna após um acidente que o deixou preso à cama, enquanto tem que correr para terminar o roteiro de “Citizen Kane”. O que acontece é que o personagem mencionado e, em última análise, todo o filme, não deixa de ser nada senão tedioso.


Créditos: Netflix


Ao assistir a um filme ou série, o objetivo de um personagem principal é entregar uma personalidade interessante que seja capaz de conduzir a produção o suficiente para captar a atenção e o interesse do espectador. No caso do “Mank”, infelizmente, não é o que acontece. Ao se concentrar em tantas outras questões, como a divisão entre democratas e republicanos, suborno, a corrupção da indústria do entretenimento e a transferência de poder da produção cinematográfica para questões políticas, o filme carece de entregar o que anuncia: a história de Herman Mankiewicz. Ao sustentar a história do personagem e os interesses isolados em tantos assuntos fora da real atividade de escrever o roteiro de “Citizen Kaine”, aquele que assiste pode se perder facilmente por tantos flashbacks e confrontos de histórias carregadas apenas no personagem principal. É compreensível que o que o diretor David Fincher e o roteirista Jack Fincher desejavam explicar os eventos que levaram à história instigante e desafiadora de "Cidadão Kane", mas revolvendo mais de cinco histórias em apenas um personagem quase sem emoção, se não quando bêbado , só confunde aqueles que ainda não assistiram “Citizen Kane”, dadas as diversas referências espalhadas por “Mank”.


Créditos: Netflix


Ao filmar com câmera analógica, definir o filme durante a era de ouro de Hollywood, reviver a história de "Cidadão Kane" e sutilmente agradecer ao Oscar na última cena do filme, é a razão pela qual "Mank" é um dos principais concorrentes para as indicações deste ano. A essa altura, muito já se sabe sobre como a Academia tem uma tendência para produções que, direta ou indiretamente, prestam homenagem à ela ou à indústria do entretenimento em geral. Alguém se lembra do efeito “O Artista”, “La La Land” ou “Era uma vez em Hollywood”?


“Mank” não é um filme ruim apenas para aqueles que se deliciam com a glória da velha estética de Hollywood, para aqueles que podem se dizer amantes da história do cinema ou para aqueles que são fãs de “Citizen Kane”. Onde o filme carece de história, deve-se admitir que ele prospera na construção de seu mundo. Não sendo surpresa, também foi indicado para “Melhor Som”, “Melhor Design de Produção”, “Melhor Maquiagem e Penteado”, “Melhor Figurino” e “Melhor Fotografia”. Por sua bela estética retrô e produção orquestral, o filme não sairá da cerimônia com as mãos abanando. Isso é de certeza.


Confira o trailer de “Mank”:



Não sabe onde assistir a cerimônia neste Domingo? Clica aqui.

Sem Título-1 (1).jpg
versao_branca.png
Conteúdos originais produzidos de ponta a ponta pela vertente de entretenimento construída pela neoCompany que reúne o que há de melhor sobre uma gama de assuntos que com certeza vai te conquistar. Conheça o portal neonews e os neoriginals!