neonews Portal de notícias e entretenimento

neoGamer | Brasileiro é um dos que mais paga caro por jogos no mundo

O trabalhador médio brasileiro precisa trabalhar uma semana inteira para comprar um game no lançamento



Videogame nunca foi um hobbie barato. Desde sua chegada aqui no país, ter um console de última geração em casa sempre acabou sendo um luxo. Pelo menos, com a cultura de locadoras e fliperamas, várias pessoas que não tinham condições de comprar , puderam experienciar e se apaixonar por esse mundo. Porém, essa cultura acabou se perdendo com o tempo, e agora está mais elitista do que nunca, principalmente devido a crise econômica que o país passa há anos, e se agravou devido a pandemia.





Em reportagem feita pelo Canaltech foi revelado que o brasileiro médio - que recebe um salário mínimo (R$ 1100) e trabalha 40 horas semanais (8 horas por dia) - tem que trabalhar uma semana completa (sete dias) para conseguir comprar um jogo Triple A no lançamento, que atualmente está chegando nas lojas por R$ 350.


Esse dado é triste porém não é surpreendente. Qualquer um que ao menos pesquisou o preço dos jogos nos últimos anos já sabia o quão caro estão chegando aqui no país. E esses valores altos mudou todo o comportamento do gamer brasileiro, e dados do Pesquisa Game Brasil 2021 revela que, dos entrevistados, 45,4% apenas baixam jogos gratuitos, 44,9% pagam por jogos porém ocasionalmente, e apenas 9,7% compra com frequência.





Segundo o economista Henrique Rogê, que cedeu entrevista para a reportagem, para que essa situação dos preços elevados dos games seja "resolvida", é necessário "uma elevação do salário mínimo e a redução dos determinantes [dólar, tributação etc] do preço dos jogos". Porém essa não é uma resposta 100% absoluta, visto que o salário mínimo é uma variável, e depende de várias questões orçamentárias do governo federal, e o preço do jogo depende da determinante, que também não é tão fácil assim de se diminuir.


Visto esse elitismo que se deu no mundo dos games, o grande sucesso de games mobile, como Free Fire, principalmente na população de periferia, é algo muito importante aqui no país, pois prova que o Brasil é um mercado consumidor de games com muito potencial (mais do que já é), porém essa falta de acessibilidade faz com que tenha uma trava, e que as empresas não invistam no tanto país quanto deveriam.



Fonte: Canaltech








Sem Título-1 (1).jpg
versao_branca.png
Conteúdos originais produzidos de ponta a ponta pela vertente de entretenimento construída pela neoCompany que reúne o que há de melhor sobre uma gama de assuntos que com certeza vai te conquistar. Conheça o portal neonews e os neoriginals!